09/03/12


As dúvidas são como os deuses pregados nas paredes,
como deuses cravados nas gentes e em coisas rasas.
Há dúvida nas definições da vida, na definição da morte e,
até, se deus é um jovem irreverente que vive de paixões.
Há dúvidas nos horóscopos e na certeza dos sábios,
na ortografia dos livros e figuras dos jornais,
na sensação de fome e na matança da sede.
Há dúvidas no conforto dos carros fúnebres e no equilíbrio das bicicletas, 
no espírito, na carne, 
no tempo do agora e, como dizes, se o amor se sobrepõe a todas as coisas.
Há dúvidas e disso ter-se-á sempre certeza,
como a certeza que morreremos ambos crucificados em perguntas.

8 comentários:

Rui Botas disse...

Sim, morreremos carregados de dúvidas... mas poderemos fechar os olhos cheios de lúcida certeza... basta que vivamos sem estar de braços abertos, pregados à cruz de pau... simplesmente à espera...

Tiara Sousa disse...

Só não há dúvidas que essas palavras inspiram!

A Noiva Cadáver disse...

Todos crucificados.

Flávia disse...

a vida é um ponto de exclamação que se curvou diante das dúvidas.

Tiara Sousa disse...

Ótima observação, ótimo blog!

Gabriele Andrade disse...

Olá tudo bem?
Quer ter uma renda extra trabalhando em casa?
Isso é possível! Saiba mais acessando www.frpromotora.com/44825090
Sucesso!!!

Anónimo disse...

http://1980equalquercoisa.blogspot.pt/

Samuel Bonette disse...

Música é arte. Interpretação é arte. Pintura é arte. Arte é uma coisa um tanto quanto subjetiva, nem sempre se submetendo a um padrão estético específico ou aos anseios dos espectadores e as vezes do próprio artista. Depende de inspiração, e de transpiração. Tenho um particular apreço por [...]

Continue lendo em:

http://samuelbonette.blogspot.com.br/2012/07/arte-do-malasartes.html

ao lado